Quais as diferenças entre as vacinas da rede pública e rede privada?

Quais as diferenças entre as vacinas da rede pública e rede privada?

Tanto a vacinação da rede pública quanto da rede privada é de ótima qualidade, seguras e garantem a proteção necessária. Apesar disso, algumas vacinas oferecidas na rede pública diferem daquelas oferecidas na rede privada. Entenda quais são essas diferenças e como isso pode afetar a saúde do seu filho.

Tríplice bacteriana DTPa e tríplice bacteriana DTPW

As vacinas tríplices bacterianas protegem contra difteria, coqueluche e tétano. No SUS está disponível a DTPw que é produzida a partir de células inteiras da bactéria. Já na rede privada existe a formulação chamada DTPa, que não é feita com proteínas e não com células inteiras da bactéria. Por esse motivo, ela é uma vacina mais purificada, o que reduz as chances de eventos adversos. Vale lembrar que a DTPw oferecida na rede pública, apresenta baixo risco de eventos adversos. Se por acaso seu bebê tenha tomada uma dose da DTPw e tenha apresentado febre alta por um tempo longo ou outras reações adversas é recomendado que a próxima dose seja feita com a DTPa. Quem inicia o esquema vacinal com uma, pode completar o esquema com a outra sem problemas.

Poliomielite

Na rede privada, é aplicada a Polio Inativada, na mesma seringa da DTPa. É uma vacina que oferee alta proteção e zero risco de causa a PPV – poliomielite pós-vacinal – um raríssimo efeito colateral da vacina Sabin.

Vacina Haemophilus influenzae tipo b e seus reforços

Haemophiluis influenzae tipo B é uma bactéria que pode levar a diversas infecções, e, em alguns casos, a infecções grave, como meningite, pneumonia, artrite, etc.

A vacina que previne a infecção por esse agente está presente tanto na rede pública quanto na rede privada, porém na rede privada há uma dose a mais, que é o reforço.

Vacina rotavírus monovalente e vacina rotavírus pentavalente

A vacina contra o rotavírus é uma vacina de vírus vivo, administrada por via oral. Ela pode ser monovalente o pentavalente.

A vacina ofericada na rede pública é a monovalente, que é feita em duas doses, e protege contra um sorotipo de rotavírus, mas oferece proteção cruzada contra outros sorotipos

Na rede privada, a vacina é a pentavalente, que é feita em esquema de três doses, e oferece proteção contra 5 sorotipos diferente de rotavírus.

Bebês que iniciam a vacinação com uma determinada vacina contra rotavírus devem idealmente terminar o esquema de vacinação com o mesmo tipo de vacina. No entando, caso falte um dos produtos, a vacinação não deve ser interrompida e é importante utilizar a vacina que estiver disponível.

Vacina pneumocócica conjugada 10 e vacina pneumocócica conjugada 13

As vacinas pneumocócicas conjugadas protegem as crianças de doenças causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae, como pneumonia, otite média aguda e meningite. A vacina pneumocócica conjugada (VPC 10), que é oferecida no SUS, protege contra 10 subtipos de pneumococos. Já a vacina pneumocócica conjugada (VPC 13), oferecida na rede provada, protege contra 13 subtipos de pneumococos.

O esquema da VPC 13 é feito com três doses, aos 2,4 e 6 meses e mais um reforço de 12 a 15 meses. As crianças que fizeram o esquema de VPC10 completo, podem receber uma dose adicional de VPC13 com objetivo de ampliar a proteção contra essa bactéria até os 5 anos de idade. Importante respeitar o intervalo mínimo de dois meses após receber a última dose.

Vacina influenza

No SUS, a vacinação contra influenza, é oferecida para crianças até os 5 anos de idade e adultos a partir de 55 anos.

É recomendável que todos sejam vacinados anualmente contra gripe, independente da idade, segundo orientação da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Meningocócica conjugada C e Meningocócica conjugada ACWY

A vacina contra meningite oferecida na rede pública é a Menigocócica C, que protege contra o tipo C. Já a vacina oferecida da rede privada é a Meningocócica ACWY, que protege contra esses quatro tipos. Vale lembrar que o tipo C é responsável por cerca de 70% da meningites no Brasil. No entanto, aquelas causada pelo tipo W vem aumentando e é responsável por cerca de 20% dos casos.

Vacina contra o HPV

O SUS oferece duas doses da vacina contra o HPV para meninos de 11 a 14 anos e meninas de 9 a 14 anos. No particular a vacina HPV é oferecida para todas as idades.

Hepatite A

No SUS, a vacinação contra hepatite A é indicada para crianças com um ano de idade. Já na rede privada, é feito uma segunda dose 6 meses após a primeira, conforme recomendação da SBIm. A importância da segunda dose é que ela garante proteção também na vida adulta. Apenas uma dose garante proteção até os 10 anos de idade, porém não é certo quanto a proteção após isso.

Vacina varicela

Essa vacina protege as crianças contra a catapora. A rede pública oferece uma dose dessa vacina. Esse dose é suficiente para prevenir de ser acometido pelas formas graves da doença, porém não protege de contrair a doença. Na rede privada é oferecida duas doses dessa vacinas, e esta segunda dose irá prevenir a criança de ser acometida pela doença.

Quer receber novidades? Assine nossa Newsletter

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *